Como ficam os acordos entre empregador e empregado durante a pandemia?

saque fgts
Saque do FGTS liberado na pandemia
15 de setembro de 2020
Redução de salário
Redução de salário de forma legal
15 de outubro de 2020
Exibir tudo
acordos entre empregador e empregado durante a pandemia

Um dos maiores efeitos colaterais provocados pela pandemia é a insegurança sobre o futuro. A incerteza envolve tanto o medo em relação aos impactos na saúde, quanto na economia.

Apesar da turbulência econômica, muitos negócios tentam ultrapassar a fase negativa demitindo o menor número possível de funcionários, através de bons acordos entre empregado e empregador, visando a segurança financeira de ambos.

O acordo entre empregado e empregador é, sem dúvida, uma ótima solução e quando realizado com êxito, poupa as partes de um grande desgaste burocrático e judicial.

Para entender melhor como o acordo pode ser feito, é necessário analisar a Medida Provisória 927/20, editada em 22/03/2020, justamente para ajudar empresas a manter seus funcionários empregados durante a pandemia, porém em jornadas de trabalho reduzidas. Como se trata de uma “medida provisória”, ela caducou em 19/07/2020, quando foram editados outros decretos legislativos para disciplinar as relações jurídicas decorrentes da Medida Provisória. E assim vieram a Lei 14020/20 e Decretos 10422/20 e 10470/2020.

Então, continue lendo e descubra quais são os principais pontos do acordo entre empregado e empregador proposto pela Medida Provisória 927/20.

O que é a Medida Provisória 927/20

Diante do desespero dos empregadores, vendo seus negócios zerarem o faturamento ou terem uma enorme queda nas vendas, a Medida Provisória 927/20 surgiu como alternativa para evitar demissões em massa, por meio de acordos entre empregado e empregador.

O artigo 1.º da MP nos diz:

“ Art. 1.º  Esta Medida Provisória dispõe sobre as medidas trabalhistas que poderão ser adotadas pelos empregadores para preservação do emprego e da renda e para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo n.º 6, de 20 de março de 2020, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (covid-19), decretada pelo Ministro de Estado da Saúde, em 3 de fevereiro de 2020, nos termos do disposto na Lei n.º 13.979, de 6 de fevereiro de 2020.”

A MP é fundamentalmente importante para as pequenas empresas que, por não terem capital de giro e nenhum outro tipo de reserva financeira – além do que faturam no dia-a-dia –, não suportariam muito tempo sem operação e faturamento. Nessa situação, elas simplesmente fecham as portas e seus funcionários perdem o emprego, aumentando as taxas de desemprego.

Assim, a lógica das pequenas empresas que passam por dificuldades na pandemia é: se a empresa não funciona, então não existe necessidade de mão de obra. Ou seja, os funcionários passam a ser dispensáveis para as operações e a solução eminente é a demissão.

Ao contrário do que muitos pensam, isso não é maldade, e sim, apenas a matemática dos negócios.

Porém, com o surgimento da Medida Provisória 927/20 e na sequência a Lei 14020/20 e Decretos 10422/20 e 10470/2020, atualmente é possível realizar acordos entre empregado e empregador, como recurso alternativo. Veja como funcionam os acordos após a pandemia.

Como ficam os acordos após a pandemia

Antes da Reforma Trabalhista, acordos entre empregado e empregador não eram sequer permitidos. Mas, com a Lei 13.467/2017, essa realidade mudou. Após a Reforma, acordos se tornaram possíveis desde que fosse pago, por parte do empregador, metade do aviso prévio (15 dias), metade da multa rescisória do FGTS e as demais verbas trabalhistas (saldo de salário, férias + 1/3, 13º salário, etc.) na integralidade. Além disso, a lei também permite o saque de até 80% do saldo do FGTS e prevê a vedação do direito ao seguro-desemprego.

Já a partir da Medida Provisória 927/20, tornou-se possível realizar acordos entre empregado e empregador, por meio de negociações que podem alterar o regime, férias e quaisquer outros aspectos do contrato trabalhista.

Os tipos de acordos entre empregado e empregador possíveis após a pandemia são: individual direto e de convenção coletiva de trabalho. Vamos falar um pouco mais sobre eles a seguir.

Acordo individual e coletivo

Como o próprio nome supõe, este tipo de acordo entre empregado e empregador pode ser individual, de uma para um, ou coletivo, atendendo a demais funcionários. Nele, podem ser negociados os seguintes pontos:

  • Horas extras;
  • Banco de horas;
  • Compensação de jornada dentro do mês;
  • Jornada 12 × 36;
  • Parcelamento de férias em até três períodos;
  • Intervalo para lactantes;
  • Demissão em comum acordo;
  • Contrato de trabalho – nível superior.

Acordo e convenção coletiva de trabalho

Também, como sugere o nome, este é um acordo entre empregado e empregador coletivo, resultado de negociações entre os sindicatos e as empresas. Nele, podem ser negociados:

  • Banco de horas anual;
  • Jornada de trabalho;
  • Intervalo intrajornada mínimo de 30 minutos, para jornadas maiores de 6 horas;
  • Plano de cargos e salários;
  • Teletrabalho;
  • Sobreaviso;
  • Trabalho intermitente;
  • Remuneração por produtividade.

 

Porém, é importante frisar que, por lei, ninguém pode ter seu salário reduzido a menos de um salário mínimo. Além disso, para acordos entre empregado e empregador coletivos, alguns pontos tiveram sua possibilidade de negociação vedada, como: 13º salário, licença maternidade, aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, férias e remuneração mínima do serviço extraordinário.

Como fazer um acordo entre empregado e empregador

Para fazer o acordo entre empregado e empregador, o primeiro passo é haver vontade mútua dos envolvidos. Porém, o trabalhador precisa se adequar a 3 pilares fundamentais:

  • ser empregado da iniciativa privada, incluindo trabalhadores com contrato de trabalho intermitente ou a tempo parcial;
  • ser empregado doméstico;
  • ou aprendiz.

Os trabalhadores citados acima precisam ter a CLT assinada.

Como lidar com as mudanças

Para o empregado, é preciso entender que a Medida Provisória e demais leis e decretos que a sucederam não foram feitas para retirar direitos, e sim, para preservar a existência das empresas em um momento tão atípico e difícil, nunca vivido na economia brasileira. Logo, os acordos entre empregado e empregador tornam-se necessários.

Em momentos peculiares, como durante uma pandemia devastadora, alguns direitos trabalhistas são flexibilizados temporariamente para assegurar o emprego de milhares de cidadãos. A medida de redução de jornada de trabalho e dos salários dos funcionários é uma forma de evitar o desemprego e garantir acordos entre empregado e empregador que beneficiem a todos.

Já em relação ao empregador, é natural o surgimento de muitos questionamentos em relação ao que é ou não permitido. Afinal, a legislação trabalhista brasileira já é complexa em tempos normais, agora, imagine após a implementação de uma MP e depois outras leis e decretos durante uma pandemia que ameaça a existência de milhares de empresas.

Devido ao cenário de complexidade, a melhor opção é buscar um profissional especializado em Direito do Trabalho, para evitar erros que podem gerar litígios, multas e bastante dor de cabeça após o fechamento dos acordos entre empregado e empregador.

Por isso, contrate um profissional e não caia nas brechas da lei. A ausência de um profissional em Direito do Trabalho pode lhe custar muito mais caro perante a justiça.

Entre em contato conoscoPowered by Rock Convert