Jornada de Trabalho durante a Pandemia

despejo de inquilinos durante a pandemia
Novo projeto proíbe despejo de inquilinos durante pandemia
15 de agosto de 2020
saque fgts
Saque do FGTS liberado na pandemia
15 de setembro de 2020
Exibir tudo
Jornada de trabalho durante a pandemia

A COVID-19 mudou a maneira como diversos setores atuam, reduzindo jornadas de trabalho, fechando as portas de estabelecimentos e fazendo com que algumas empresas funcionem somente em regime home Office, ou seja, o trabalho remoto realizado, em casa.

O impacto causado pela pandemia é inegável e tendo em vista a situação pela qual estamos passando, ainda é cedo para mensurar todos os efeitos colaterais que o novo coronavírus acarretou.

Frente a isso, o Governo brasileiro vem estruturando medidas provisórias e projetos de lei a fim de reduzir as consequências da pandemia tanto para as empresas quanto para os trabalhadores.

Uma das medidas adotadas por diversos empregadores foi a redução da jornada de trabalho, que está atrelada a uma série de outras implicações da Medida Provisória (MP) 936/2020, referente à manutenção do emprego e da renda dos cidadãos. Saiba mais!

MP 936/20

A MP 936/20 é conhecida como o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e visa a alteração das normas referentes aos contratos de trabalho e as relações de emprego no Brasil.

O projeto dispõe de medidas trabalhistas que têm como intuito auxiliar o empregador e os funcionários em meio à crise, trazendo mudanças em fatores como o total da jornada de trabalho, rescisão contratual, suspensão de contratos e etc.

A medida busca trazer soluções em meio à situação de calamidade pública, com o intuito de controlar as taxas de desemprego e disponibilizar caminhos alternativos para as empresas. Assim, a diminuição da jornada de trabalho surge como uma alternativa válida para manter cidadãos empregados e não sobrecarregar os empregadores que também sofrem com a crise financeira.

Redução de salário e da jornada de trabalho frente à pandemia.

A MP 936/20 prevê a possibilidade de redução de salário e da jornada de trabalho de maneira proporcional, em 25%, 50% ou 70%.

Na redução salarial o Governo Federal fará o pagamento do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego. O pagamento terá como base o seguro desemprego a ser recebido pelo empregado caso fosse dispensado.

Os empregados não perderão o direito ao recebimento do seguro desemprego caso no futuro venham a ser dispensados sem justa causa e desde que preenchidos os requisitos legais para o referido recebimento.

A efetivação de tais medidas, a redução salarial e da jornada de trabalho será realizada através de acordo individual entre empregado e empregador e as empresas não precisam da anuência do Sindicato da Categoria, pois, segundo o Supremo Tribunal Federa, “impor a necessidade de validação pelo Sindicato poderia haver risco de desemprego em massa”.

Certamente o STF adotou referida decisão diante das dificuldades criadas pelos sindicatos na aceitação de tais acordos e o fato é que a época atual exige decisões rápidas e efetivas com objetivo de manter os empregos.

A MP determina que com o encerramento do estado de calamidade pública a jornada de trabalho e a redução salarial deverão ser restabelecidas dentro de 48h corridas após o fim do período de crise.

De fato, a redução da jornada de trabalho pode ser uma alternativa para empresas em meio à crise. No entanto, para adotar tal medida é preciso seguir as pré-disposições estipuladas pela medida provisória e estar atentos às eventuais alterações que ocorrerem durante a sua vigência.

Para mais conteúdos como esse, acesse o nosso blog e conheça os serviços de advogados em Santos que temos para oferecer!

Entre em contato conoscoPowered by Rock Convert